FACEBOOK E O RISCO DE DEPRESSÃO EM ADULTOS JOVENS
24 de September de 2016
REABILITAÇÃO EM PACIENTES COM ESPONDILITE ANQUILOSANTE
24 de September de 2016
Mostrar todos

FRATURAS POR STRESS

Essa lesão ocorre como resultado de um número elevado de sobrecargas cíclicas de intensidade inferior ao strength ósseo máximo sobre o tecido ósseo não patológico.
Essa fratura pode ser o estágio final da fadiga ou insuficiência do osso acometido. Elas ocorrem após a formação e o acumulo de microfraturas nas trabéculas ósseas normais. Em contrapartida, a fratura resultante da insuficiência óssea ocorre em um osso mecanicamente comprometido, geralmente apresentando uma baixa densidade mineral óssea. Nas duas situações, o desequilíbrio entre o osso formado e remodelado e o osso reabsorvido resultará na descontinuidade óssea no local acometido.
Todos os ossos do corpo humano estão sujeitos a fratura por estresse. Atletas de corrida têm maior incidência de fratura por estresse nos ossos longos como a tíbia, o fêmur e a fíbula, além dos ossos do pé e do sacro. Em atletas a diferença na incidência de fraturas por estresse entre homens e mulheres é mínima.
A ressonância nuclear magnética (RNM) é o exame de imagem mais sensível e específico para o diagnóstico da fratura por estresse.
O tratamento da lesão é feito com a diminuição da sobre carga no local acometido, medicação para controle da dor e reabilitação fisioterápica.

Consulte com especialista na Clínica da Coluna em Porto Alegre. Dr. Jorge Schreiner e Dr. Lucas Zanetti. Clínica Protrauma.(51) 3325.2121

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *